Bebidas nas estradas

Publicado em:  12/05/2008

Pesquisa realizada por Ronaldo Laranjeira e Sérgio Duailib – médicos e pesquisadores da Unidade de Pesquisa de Álcool e Drogas (Uniad) da Unifesp – envolvendo quase cinco mil testes de bafômetro em cinco cidades brasileiras, entre 2005 e 2007 – revela que a maioria dos homens jovens, solteiros e com renda familiar entre quatro e sete salários mínimos bebe antes de dirigir um automóvel. Quando comparado aos motoristas dos EUA e da Europa, em média os brasileiros bebem cinco vezes mais. Dos 4.661 motoristas abordados e convidados a participar da pesquisa, 19,3% apresentavam níveis de álcool no sangue acima do permitido por lei, conforme constatado nos testes com bafômetro, e em quase 30% dos motoristas a embriaguez era óbvia.

Conforme a pesquisa, 48% dos motoristas embriagados já se envolveram em acidentes no trânsito. Segundo os autores, vários estudos mostram o risco de dirigir sob o efeito do álcool, mesmo que os níveis no sangue sejam considerados baixos. "As bebidas alcoólicas podem reduzir a visão noturna em 25%, e os reflexos entre 10% e 30%", afirmam.

Estimativas da OMS levantadas a partir de pesquisa apontam que, no ano de 2020, os acidentes de trânsito serão o maior problema de saúde pública do mundo. Em 2002, a OMS registrou 1,2 milhões de mortes e 50 milhões de feridos. Sendo que 90% de todas as ocorrências foram registradas em países subdesenvolvidos.

 

Proibição nas rodovias

Numa tentativa do governo de reduzir o consumo de álcool pelos motoristas, desde 1º de fevereiro passou a vigorar a proibição da comercialização de bebidas alcoólicas em rodovias federais, por meio da Medida Provisória nº. 415, aprovada no dia 21 de janeiro. Estima-se que cerca de 150 mil brasileiros dirigem após ingerir de quatro a cinco doses de bebida alcoólica diariamente.

Pela MP, fica proibida a comercialização de qualquer bebida alcoólica que tenha em sua composição um grau de concentração igual ou acima de 0,5 grau Gay Lussac, medida que expressa graduação alcoólica das bebidas. Caso a lei seja violada, será aplicada uma multa de R$ 1.500,00 e, quando houver reincidência, a multa será aplicada em dobro, e a autorização para o acesso à rodovia será suspensa por dois anos. Além disso, os estabelecimentos comerciais que estão às margens das rodovias deverão afixar avisos, em locais visíveis, indicando a proibição. Caso contrário, a multa será de 300 reais.     

A responsabilidade pela fiscalização é da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e, segundo Laranjeira, essa ação é imprescindível para que a medida seja eficaz. "Se não houver fiscalização vamos continuar contando os mortos, principalmente nos feriados, quando o número de acidentes por esse motivo é considerável", afirmou.

 


TAGS


<< Voltar