Federadas opinam sobre Conferência de Saúde Mental

Publicado em:  10/05/2010

Fórum Ampliado incentiva participação de grupos estaduais e regionais no debate sobre atuação da ABP em discussões sobre políticas públicas

 

A partir de uma sugestão apresentada pelos representantes de federadas e núcleos durante o VIII Fórum Nacional de Federadas, a Associação Brasileira de Psiquiatria implantou um sistema de consulta aos líderes das instituições que representam a especialidade nos níveis estadual e regional. Seguindo orientação dos líderes locais, o Fórum Ampliado, como foi chamado pelos organizadores, busca validar entre todos os secretários regionais e presidentes de núcleos e federadas qual deve ser o posicionamento da ABP na IV Conferência Nacional de Saúde Mental.

Segundo o presidente da instituição, João Alberto Carvalho, a proposta é debater com as lideranças regionais um dos temas mais relevantes para a ação política do grupo. "A partir dessa consulta qualitativa, em que cada entidade pode apresentar seus argumentos e opiniões de acordo com os temas propostos, acredito que conseguiremos afinar ainda mais o nosso discurso em defesa da psiquiatria e da qualidade no atendimento em saúde mental", comentou.

Ele acredita que a participação dos associados, através de suas federadas, é essencial. "Em todos os Estados, temos representantes locais da psiquiatria que se articulam com a ABP. Nossa proposta depende da presença dos colegas nas discussões locais, para que as propostas discutidas em âmbito nacional tenham sido validadas localmente. O propósito é não só ouvir a opinião, mas demonstrar a realidade do país. Isso só é possível ouvindo os psiquiatras, como a ABP faz".

Realizado pela internet, através de um sistema que permite a participação de cada federada com senhas individuais e que facilita a tabulação de resultados, o Fórum Ampliado foi dividido em três etapas, que se articulam com os eixos temáticos da Conferência.

Na primeira fase, os representantes de núcleos e federadas foram chamados a opinar sobre como a Associação Brasileira de Psiquiatria deve se posicionar frente ao debate proposto pelo eixo temático "Saúde Mental e Políticas de Estado: pactuar caminhos intersetoriais" e sobre como pensar a especialidade diante de uma política pública que supostamente pretende aumentar o acesso ao nível primário multidisciplinar através de "pactuações sociais".

A segunda etapa, que começa hoje, é referente ao eixo "Consolidar a Rede de Atenção Psicossocial e fortalecer os movimentos sociais". Na sequência, será discutido o subtema "Direitos Humanos e Cidadania como desafio ético e intersetorial".

As federadas que participaram da primeira fase foram: Centro de Estudos Psiquiátricos Vera Cruz, Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Sociedade Paranaense de Psiquiatria, Sociedade Cearense de Psiquiatria, Sociedade Pernambucana de Psiquiatria, Associação Acadêmica Psiquiátrica de Minas Gerais, Associação Alagoana de Psiquiatria e Associação Mineira de Psiquiatria, além da secretaria regional sudeste.

 

 


TAGS


<< Voltar