DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES

Publicado em:  02/06/2020


DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES 


Os transtornos alimentares não conhecem limites e afetam todas as culturas, orientações sexuais, idades, classes socioeconômicas, habilidades, raças, origens étnicas e tamanhos.

Tais condições, entre as quais podemos citar Anorexia Nervosa, Bulimia Nervosa, Transtorno da Compulsão Alimentar, entre outros, constituem-se num grupo de condições com potencial de causar sérios agravos à saúde, apresentando altas taxas de letalidade.

Estima-se que mais de 70 milhões de pessoas no mundo sejam afetadas por um transtorno alimentar. A intervenção precoce é a melhor ação que podemos tomar, por isso, coloca-se a relevância de campanhas de divulgação e educação a respeito de tais doenças.

O Dia Mundial de Ação sobre Transtornos Alimentares é um movimento popular iniciado em 2015, desenvolvido para e por pessoas afetadas por um transtorno alimentar, suas famílias e os profissionais de saúde e médicos que os apoiam. Unindo ativistas em todo o mundo, o objetivo é expandir a conscientização global sobre os transtornos alimentares como doenças tratáveis e geneticamente ligadas que podem afetar qualquer pessoa.

A quinta edição de tal evento ocorrerá no próximo dia 02 de Junho de 2020, apresentando a campanha de mídia social #ShowUsYourPurple!

Membros da comunidade de transtornos alimentares, incluindo indivíduos afetados e suas famílias, profissionais, pesquisadores e formuladores de políticas, uniram-se virtualmente para aumentar o acesso a informações precisas, erradicar mitos e defender coletivamente os recursos e a mudança de políticas.

Este ano, estão sendo propostas medidas para apoiar e melhorar o treinamento dos prestadores de cuidados de saúde!

Mais de 200 organizações de 45 países e milhares de ativistas estão trabalhando juntos em 6 plataformas de mídia social e localmente para fazer a diferença na maneira como os transtornos alimentares são entendidos e tratados!

Um Comitê Diretor, composto por diversas representações globais, está fornecendo orientação estratégica. A comunidade maior de ativistas está envolvida em todas as etapas do desenvolvimento de mensagens, materiais e divulgação.


10 Fast Facts sobre Transtornos Alimentares.

1. Os transtornos alimentares são doenças mentais e físicas caracterizadas por relacionamentos não saudáveis com alimentos e distúrbios graves no comportamento alimentar.

2. Três dos transtornos alimentares mais comuns, são anorexia nervosa (restrição severa dos alimentos), transtorno da compulsão alimentar (comer quantidades excepcionalmente grandes de alimentos e perder o controle sobre o comportamento alimentar) e bulimia nervosa (compulsão alimentar seguida de comportamentos compensatórios, como como vômito auto induzidos, uso de laxantes, diuréticos ou exercícios físicos excessivos).

3. Embora os transtornos alimentares possam afetar qualquer pessoa, há uma variedade de fatores de risco biológicos, fisiológicos e socioculturais, incluindo, entre outros, insatisfação com a imagem corporal, estigma de peso, trauma pessoal e histórico familiar de doença mental.

4.  Estima-se que 30 milhões de pessoas nos EUA lutam contra um distúrbio alimentar (20 milhões de mulheres e 10 milhões de homens).

5. É comum que pessoas com transtorno alimentar tenham uma ou mais comorbidades. Um estudo elucidou que 71% das pessoas com transtorno alimentar também foram diagnosticadas com ansiedade ou transtorno de humor.

6. Os transtornos alimentares, em especial estão associados a complicações que podem concorrer para êxito letal. Especialmente a Anorexia Nervosa está associada à alta letalidade. A cada hora, pelo menos uma pessoa morre nos EUA como resultado direto de um distúrbio alimentar.

7. Quase 3% dos adolescentes (de 13 a 18 anos) são diagnosticados com um distúrbio alimentar. Embora as adolescentes geralmente apresentem maior risco de desenvolver um transtorno alimentar do que os meninos, 1 em cada 5 adolescentes com bulimia nervosa e 1 em cada 4 adolescentes com anorexia nervosa são do sexo masculino.

8. Pesquisas mostram que as taxas globais de transtornos alimentares aumentaram de 2000 a 2018. Um estudo mostrou que as taxas estavam aumentando mais rapidamente nas populações masculinas, de baixa renda e mais velhas.

9. Em um estudo com crianças de 14 e 15 anos, a dieta foi o preditor mais importante do desenvolvimento de um distúrbio alimentar. Aqueles que fizeram dieta moderada tiveram 5 vezes mais chances de desenvolver um distúrbio alimentar, e aqueles que praticaram restrições extremas tiveram 18 vezes mais chances de desenvolver um distúrbio alimentar do que aqueles que não fizeram dieta.

10. Embora os transtornos alimentares possam ser tratados com sucesso, apenas 1 em cada 10 pessoas com distúrbio alimentar recebe tratamento.


Dra. Christina de Almeida dos Santos, é Médica Psiquiatra e associada a Associação Paranaense de Psiquiatria - APPSIQ, Secretária da Comissão de Transtornos Alimentares da Associação Brasileira de Psiquiatria, Coordenadora do ATA (Serviço de Atenção aos Transtornos Alimentares de São José dos Pinhais-PR), Professora de Psiquiatria do Curso de Medicina da Faculdade Pequeno Príncipe (Curitiba-PR), Coordenadora Programa de Residência Médica em Psiquiatria de São José dos Pinhais-PR.


REFERÊNCIAS:

1. “Eating Disorders: About More Than Food.” National Institute of Mental Health. https://www.nimh.nih.gov/health/publications/eating-disorders/index.shtml. Accessed Feb. 20, 2020.

2. “Risk Factors.” National Eating Disorders Association. https://www.nationaleatingdisorders.org/risk-factors. Accessed Feb. 20, 2020.

3. “Eating Disorders.” Mental Health America. https://www.mhanational.org/conditions/eating-disorders. Accessed Feb. 20, 2020.

4. “Psychiatric Comorbidity In Women And Men With Eating Disorders Results From A Large Clinical Database.” Journal of Psychiatry Research, 2015. Accessed Feb. 20, 2020.

5. “Facts About Eating Disorders: What the Research Shows.” Eating Disorders Coalition. http://eatingdisorderscoalition.org.s208556.gridserver.com/couch/uploads/file/fact-sheet_2016.pdf. Accessed Feb. 20, 2020. “Former NIMH Director Thomas Insel: Spotlight on Eating Disorders.” National Institute of Mental Health. https://www.nimh.nih.gov/about/directors/thomas-insel/blog/2012/spotlight-on-eating-disorders.shtml. Accessed Feb. 20, 2020.

6. “Estimates of Funding for Various Research, Condition, and Disease Categories (RCDC).” US Department of Health and Human Services. https://report.nih.gov/categorical_spending.aspx. Accessed Feb. 20, 2020.

7. “April 2018: Eating Disorder in Adolescents.” US Department of Health and Human Services. https://www.hhs.gov/ash/oah/news/e-updates/april-2018-eating-disorders/index.html. Accessed Feb. 20, 2020.

8. “Prevalence Of Eating Disorders Over The 2000–2018 Period: A Systematic Literature Review.” The American Journal of Clinical Nutrition. https://academic.oup.com/ajcn/article/109/5/1402/5480601. Accessed Feb. 20, 2020. “The Changing Demographic Profile Of Eating Disorder Behaviors In The Community.” BMC Public Health. https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-14-943. Accessed Feb. 20, 2020.”

9. “Preventing Obesity and Eating Disorders in Adolescents.” Journal of the American Academy of Pediatrics. https://pediatrics.aappublications.org/content/138/3/e20161649. Accessed Feb. 20, 2020.

10. “Facts About Eating Disorders: What the Research Shows.” Eating Disorders Coalition. http://eatingdisorderscoalition.org.s208556.gridserver.com/couch/uploads/file/Eating%20Disorders%20Fact%20Sheet.pdf. Accessed Feb. 20, 2020.



TAGS


<< Voltar